O que é medicina ortomolecular

Atualizado em 01/03/2021Clínico

Viver mais e melhor é o desejo de todo mundo. A preocupação com a saúde é um tema bastante discutido, fazendo com que as pessoas busquem tratamentos para uma melhor qualidade de vida.

Contudo, a busca por terapias complementares tem ganhando força, como a Ortomolecular, que cresce em várias partes do mundo, inclusive no Brasil, conquistando um número cada vez maior de adeptos.

A Medicina Ortomolecular é um modo de gerenciar a saúde física e mental, cuja áurea é prevenir para não remediar, propondo detectar e corrigir os equilíbrios das funções celulares, a nível bioquímico-molecular, antes que se estabeleçam as doenças, conforme relato da médica endocrinologista, Paula Rosado – RJ.

Portanto, o tratamento Ortomolecular auxilia na manutenção da saúde e tratamento de doenças, promove o equilíbrio corrigindo as moléculas do organismo, visando tratamentos preventivos e curativos.

A preocupação da Medicina Ortomolecular é com o corpo humano de forma geral, e é especializada em fornecer quantidade necessárias de minerais e vitaminas a ponto de melhorar os ciclos metabólicos. Ainda tem a multifunção de investigar quaisquer anormalidades orgânicas e psíquicas do paciente. Pode ser adotada pelos médicos como uma extensão terapêutica.

Apesar de ser um método que vem revolucionando a medicina como terapia complementar, ainda existem poucos cursos de Ortomolecular no Brasil e a maioria é em nível de pós-graduação e restrito a médicos.

Como surgiu a Medicina Ortomolecular

A base da Medicina Ortomolecular iniciou no século XX. Pode-se dizer que o criador do termo foi o químico Linus Pauling, (1901-1992) cujos trabalhos são referência da química moderna. O cientista, estudioso e entusiasta da medicina ortomolecular foi agraciado com dois prêmios Nobel (Prêmio Nobel de Química em 1954 e da Paz em 1962). A Medicina Ortomolecular foi assim denominada e compreendida, em 1968, por Linus Pauling, como sendo:

– Um conjunto de investigações terapêuticas fundamentais;

– Técnicas terapêuticas;

– Práticas de prevenção.

Combate aos Radicais Livres

Um dos grandes vilões do envelhecimento são os radicais livres, moléculas instáveis produzidas pelo próprio organismo. Contudo, sua produção exacerbada, em função de maus hábitos alimentares, pode ser tóxica para a saúde do corpo.

Além disso, fatores externos também contribuem para o aumento dos níveis de radicais livres, incluindo a poluição, os raios ultravioletas, o consumo de álcool, cigarro e frituras. O estresse também é um fator importante na produção de radicais livres. De modo geral, sempre existem radicais livre em nosso organismo, mas quando presentes em grandes quantidades, causam fortes impactos, como no enfraquecimento do sistema imunológico, envelhecimento precoce e outros males, incluindo o surgimento de outras comorbidades, como artrite, catarata, Alzheimer, aterosclerose, Parkinson, e até o câncer. 

Para combater os radicais livres e equilibrar a quantidade das moléculas biológicas, a Medicina Ortomolecular pode evitar e auxiliar no aparecimento e tratamento destas doenças, que são comuns com o passar dos anos.

Como a Medicina Ortomolecular funciona

O Tratamento com a MO é indicado para todos os pacientes de qualquer faixa de idade. Medicina Ortomolecular é um tipo de terapia complementar que muitas vezes faz uso de suplementos nutricionais e alimentos ricos em vitaminas, como C e E, de forma personalizada, segundo a nutricionista Tatiane Zanin (pós Nutrologia Pediátrica – Especialização em Nutrologia). Porém, antes de dar início ao tratamento, é preciso verificar o que realmente está faltando no corpo do paciente, através de exames laboratoriais. Com o resultado em mãos, o médico pode montar um plano específico, por meio do qual o paciente deve ingerir substâncias em falta no seu diagnóstico, como as vitaminas, os sais minerais, os antioxidantes, entre outras.

Princípios da Medicina Ortomolecular

1 – Tratamento do stress oxidativo que está ligado a redução do “Radicais Livres”; 

2 – Tratamento e pesquisa de toxinas no organismo;

3 – Equilíbrio e tratamento da imunidade; 

4 – Tratamento e prevenção de inflamação crônica;

5 – Tratamento da obesidade com a correção da nutrição. A alimentação individualizada é extremamente importante para corrigir as deficiências de minerais, aminoácidos, vitaminas, enzimas;

6 – Equilíbrio da flora intestinal com a eliminação das bactérias intestinais, tanto para processo autoimunes, quanto para o emagrecimento; 

7 – Equilíbrio hormonal;

8 – Equilíbrio dos neurotransmissores importantes para melhorar os níveis de ansiedade, humor e ansiedade;

9 – Controle do stress e sono;

10 – Atividade física.

A Medicina Ortomolecular no Brasil

No Brasil, a Medicina Ortomolecular é representada pela Associação Brasileira de Medicina Ortomolecular. Baseado nos 10 princípios citados neste artigo, a proposta principal é:

1 – Identificar, o mais precocemente possível, o Estresse Oxidativo evidenciado de forma subclínica ou clínica nas diferentes fases da vida do indivíduo, ou seja, na gestão, na infância, na adolescência, na adulta ou na senescência.

2 – Avaliar o indivíduo de maneira global, através de uma avaliação mais completa possível com exames complementares, seguindo cada caso.

3 – Analisar a bioquímica individual, identificando os biomarcadores de Extresse Oxidativo, que fazem parte dos exames solicitados na clínica médica diária. A questão é ter o devido conhecimento para correlacioná-los com seu significado bioquímico celular/molecular, seguindo a base da Medicina Ortomolecular.

4 – Devem ser consideradas as consequências na saúde do paciente a relação com o ambiente que ele vive. Isto, envolve local de moradia, condições de trabalho, profissão, hábitos (alimentação, fumo, drogas, etc), qualidade da água, do ar, do solo, poluição sonora, etc.

Benefícios do tratamento Ortomolecular

A nutrição é aliada e a base para a terapia ortomolecular. O tratamento tem como foco a desintoxicação e o equilíbrio por meio da alimentação, e são notados no dia a dia: maior vitalidade das células, maior rendimento metabólico, melhora de doenças respiratórias, redução das medicações específicas para qualquer doença, auxílio ao emagrecimento, redução do tempo de recuperação da doença, potencial de ser complementar a tratamentos de câncer, ação preventiva e auxílio no tratamento contra outras enfermidades, como: ansiedade, depressão, artrite, pressão alta, asma, infertilidade, problemas no aparelho digestório.

Qual vantagem adicional, além da ausência dos efeitos colaterais

De acordo com o pioneiro da prática Ortomolecular no Brasil, o médico Efraim Olswer, a ausência de efeitos colaterais é uma grande vantagem, já que os demais tratamentos têm que ser aplicados por períodos controlados de tempo. E a maior parte dessas doenças que podem ser prevenidas e auxiliadas no tratamento, não tem cura. São patologias que, uma vez diagnosticadas, tem que ser tratadas pelo resto da vida. Um paciente que tem diabetes, por exemplo, pode tomar menos remédios e usar a suplementação necessária. Segundo o médico, o mais importante para os pacientes com diabetes é um dos grandes avanços que a prática ortomolecular permitiu nos conceitos convencionais diagnosticar 100% dos pacientes que teriam diabetes tipo 2, no futuro. (Folha de São Paulo, 2008)

Como fazer uma dieta Ortomolecular

O segredo está em desintoxicar o organismo. Nesta dieta, alguns itens devem ser evitados como alimento industrializado, condimentados, gordurosos. Para que a Medicina Ortomolecular funcione de fato, é preciso manter uma dieta rica em triptofanos, magnésio, ferro, folato, vitaminas do complexo B e a vitamina C.

Para seguir a dieta Ortomolecular é aconselhado:

  • Alimentos naturais, como frutas e legumes;
  • Eliminar o consumo de refrigerantes, bebidas alcóolicas e frituras;
  • Ingerir alimentos que contêm fibras, como vegetais crus, em todas as refeições;
  • Tomar 3g ômega 3, diariamente;
  • Evitar carne vermelha

Medicina Ortomolecular no tratamento da depressão

A depressão é uma doença psicossomática que pode ser causada por vários fatores diferentes. Em muitos casos, ela também é um efeito colateral de outras medicações. A terapia Ortomolecular pode ser um dos melhores métodos para tratar com êxito a depressão, substituindo com sucesso alguns remédios antidepressivos. Nesse caso é indicada a reposição de vitaminas e a complementação com o uso de triptofanos, magnésio, ferro e complexo B. O tratamento pode trazer a sensação de bem-estar do paciente.

Considerações relevantes

O pioneiro na prática ortomolecular no Brasil, o médico paulistano Efraim Olszwer afirma que “a Medicina Ortomolecular tem muita ciência por trás da prática e está tudo referenciado em trabalhos científicos”, argumentou. De acordo com Olszewer, a terapia tem como principal benefício a ausência de efeitos colaterais, com tempo de recuperação similar ao de tratamento convencionais. “A prática ortomolecular vai perceber as alterações bioquímicas que aconteceram no organismo para levar o paciente a ter essa dor. Nós utilizamos remédios com doses muitos menores, menos efeitos colaterais e maximizando os benefícios do paciente, explicou o especialista.

2 comentários no artigo

  1. Elisangela disse:

    Descobrimos um câncer de sigmoide, ainda não foi operado, preciso de uma consulta

    1. administrador disse:

      Olá Elisangela!
      Você mora em qual estado?
      Podemos te indicar alguns de nossos clientes médicos.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *